Reconciliação Individual

RITO PARA A RECONCILIAÇÃO INDIVIDUAL DOS PENITENTES
(cf. Ritual da Penitência, Rito Romano)


Acolhimento do penitente

Quando o penitente se aproxima para confessar os seus pecados, o sacerdote o recebe com benevolência e o saúda amavelmente.

O penitente, e também o sacerdote, se julgar oportuno, fazem o sinal-da-cruz, dizendo:
Em nome do Pai, e do filho, e do Espírito Santo. Amém.

O sacerdote exorta o penitente à confiança em Deus, com estas palavras ou outras semelhantes:
Deus, que fez brilhar a sua luz em nossos corações, te conceda a graça de reconhecer os teus pecados e a grandeza de sua misericórdia.

O penitente responde:
Amém.

Outros textos a escolher:
Aproxima-te cheio de confiança no Senhor, que não deseja a morte do pecador, mas que se converta e viva. (Ez 33, 11)


Ou:

 

O Senhor Jesus te acolha, ele não veio chamar os justos, mas os pecadores. Confiança no Senhor! (Lc 5,32)

 

Ou:

 

A graça do Espírito Santo ilumine o teu coração, para que confesses os teus pecados e reconheças a misericórdia de Deus.

 

Ou:

 

Embora tendo pecado, não deixes de confiar: temos junto ao Pai um Defensor: Jesus Cristo, o Justo. Ele é a vítima de expiação pelos nossos pecados, e não só pelos nossos, mas também pelos pecados do mundo inteiro. (1Jo 2,1-2)

 

Leitura da Palava de Deus (facultativa)

Em seguida, o sacerdote, se julgar oportuno, lê ou diz de cor algum texto da Sagrada Escritura que proclame a misericórdia de Deus e exorta a pessoa à conversão.
 

Voltemos o olhar para Jesus, que sofreu para nos salvar e ressuscitou para nossa justificação:

 

Is 53,4-6
A verdade é que Ele tomava sobre si as nossas enfermidades e sofria ele mesmo as nossas dores; e nós pensávamos fosse um chagado, golpeado por Deus e humilhado. Mas ele foi ferido por causa de nossos pecados, esmagado por causa de nossos crimes; a punição a ele imposta era o preço da nossa paz, as suas feridas, o preço da nossa cura. Todos nós vagávamos como ovelhas desgarradas, cada qual seguindo seu caminho; e o Senhor fez cair sobre ele o pecado de todos nós.

 

Ou:

 

Ez 11,19-20
Ouçamos o que diz o Senhor: "Dar-vos-ei um coração novo e infundirei em vós um espírito novo. Arrancarei do vosso peito o coração de pedra e dar-vos-ei um coração de carne. farei que vivais segundo os meus preceitos que observeis e ponhais em prática as minhas leis. sereis o meu povo e Eu serei o vosso Deus".

 

Ou:

Mt 6, 14-15
Ouçamos o que nos diz o Senhor: "Se perdoardes aos homens as suas faltas, também o vosso Pai celeste vos perdoará. mas se não perdoardes aos homens, também o vosso Pai não vos perdoará as vossas faltas".

 

Ou: 

 

Mc 1, 14-15
Depois que João Batista foi preso, Jesus partiu para a Galileia e começou a proclamar o Evangelho de Deus, dizendo: "Cumpriu-se o tempo e está próximo o reino de Deus. Arrependei-vos e acreditai no Evangelho".

Ou: 

Lc 6, 31-38
Ouçamos o que nos diz o Senhor: "Como quereis que os outros vos façam, fazei-o também vós a eles. Se amais aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Até os pecadores amam aqueles que os amam. Se fazeis bem aos que vos fazem bem, que recompensa tereis? Também os pecadores fazem o mesmo. E se emprestais àqueles de quem esperais receber, que recompensa tereis? Também os pecadores emprestam aos pecadores, a fim de receberem de volta a mesma quantia. Vós, porém, amai os vossos inimigos, fazei o bem e emprestai, sem nada esperar em troca. Então será grande a vossa recompensa e sereis filhos do Altíssimo, que é bom até para os ingratos e os maus.
Sede misericordiosos, como o vosso Pai é misericordioso. Não julgueis e não sereis julgados. Não condeneis e não sereis condenados. Perdoai e sereis perdoados. Dai e vos será dado. Uma boa medida, calcada, sacudida, e transbordante será colocada no vosso colo; porque com a mesma medida com que medirdes os outros vós também serei medidos.

Ou: 

Lc 15, 1-7
Os publicanos e pecadores aproximavam-se todos de Jesus, para O ouvirem. mas os fariseus e os escribas murmuravam entre si, dizendo: "Este homem acolhe os pecadores e come com eles". Então Jesus contou-lhes esta parábola: "Quem de vós, que possua cem ovelhas e tenha perdido uma delas, não deixa as outras noventa e nove no deserto, para ir à procura da que anda perdida, até a encontrar? Quando a encontra, põe-na alegremente aos ombros e, ao chegar a casa, chama os amigos e vizinhos e diz-lhes: ‘Alegrai-vos comigo, porque encontrei a minha ovelha perdida’. Eu vos digo: Assim haverá mais alegria no Céu por um só pecador que se arrependa, do que por noventa e nove justos, que não precisam de arrependimento".

Ou: 

Jo 20, 19-23
Na tarde daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas as portas da casa onde os discípulos se encontravam, com medo dos judeus, veio Jesus, colocou-se no meio deles e disse-lhes: "A paz esteja convosco". Dito isto, mostrou-lhes as mãos e o lado. Os discípulos ficaram cheios de alegria ao verem o Senhor. Jesus disse-lhes de novo: "A paz esteja convosco. Assim como o Pai me enviou, também Eu vos envio". Dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: "Recebei o Espírito santo: àqueles a quem perdoardes os pecados ser-lhes-ão perdoados; e àqueles a quem os retiverdes serão retidos".

Ou: 

Rm 5, 8-9

Deus prova assim o seu amor para conosco: Cristo morreu por nós, quando éramos ainda pecadores. E agora, que fomos justificados pelo seu sangue, com muito maior razão, seremos por Ele salvos da ira divina.

 

Ou: 

Ef 5, 1-2
Sede imitadores de Deus, como filhos muito amados. Caminhai na caridade, a exemplo de Cristo, que nos amou e se entregou por nós, oferecendo-se como vítima agradável a Deus.

 

Ou: 

Cl 1, 12-14
Damos graças a Deus Pai, que nos fez dignos de tomar parte na herança dos santos, na luz divina. Ele nos libertou do poder das trevas e nos transferiu para o reino do seu filho muito amado, no qual temos a redenção, o perdão dos pecados.

Ou: 

Cl 3, 8-10. 12-17
Afastai de vós tudo o que é cólera, irritação, malícia, insulto, linguagem torpe. Não mintais uns aos outros, vós que vos despojastes do homem velho com as suas ações e vos revestistes do homem novo, que, para alcançar a verdadeira ciência, se vai renovando à imagem do seu Criador. Como eleitos de Deus, santos e prediletos, revesti-vos de sentimentos de misericórdia, de bondade, humildade, mansidão e paciência. Suportai-vos uns aos outros e perdoai-vos mutuamente, se algum tiver razão de queixa contra outro. Tal como o senhor vos perdoou, assim deveis fazer vós também. Acima de tudo, revesti-vos da caridade, que é o vínculo da perfeição. Reine em vossos corações a paz de Cristo, à qual fostes chamados para formar um só corpo. E vivei em ação de graças.

Habite em vós com abundância a palavra de Cristo, para vos instruirdes e aconselhardes uns aos outros com toda a sabedoria; e com salmos, hinos e cânticos inspirados, cantai de todo o coração a Deus a vossa gratidão. E tudo o que fizerdes, por palavras ou por obras, seja tudo em nome do senhor Jesus, dando graças, por Ele, a Deus Pai.

Ou: 

1Jo 1, 6-7.9
Se dissermos que estamos em comunhão com Deus e andarmos nas trevas, mentimos e não praticamos a verdade. Mas se caminharmos na luz, como Ele vive na luz, estamos em comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu filho, purifica-nos de todo o pecado. se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda a maldade.
 
Poder-se-ão utilizar também as leituras propostas no Rito para a reconciliação de vários penitentes. Ou à escolha do sacerdote e do penitente.
 
Confissão dos pecados e aceitação da satisfação

 

Após a recitação, onde for costume, da fórmula da confissão genérica (por exemplo, Confesso a Deus ...), o penitente confessa os seus pecados. O sacerdote, se necessário, ajuda o penitente a fazer uma confissão íntegra, dá-lhe conselhos oportunos e exorta-o à contrição de suas culpas, recordando-lhe que o cristão, pelo sacramento da penitência, morrendo e ressuscitando com Cristo, se renova no mistério pascal. Em seguida impõe-lhe uma ação penitencial, recebida pelo penitente para satisfação pelo pecado e renovação de sua vida. Procure o sacerdote adaptar-se em tudo à condição do penitente, tanto na maneira de falar como na escolha dos conselhos.

Oração do penitente e absolvição

Em seguida, a convite do sacerdote, o penitente manifesta sua contrição com esta ou outras palavras:
Senhor, eu me arrependo sinceramente de todo o mal que pratiquei e do bem que deixei de fazer. Pecando, eu vos ofendi, meu Deus, sumo bem, digno de ser amado sobre todas as coisas. Proponho firmemente, ajudado por vossa graça, fazer penitência, não mais pecar e fugir às ocasiões do pecado. Senhor, tende piedade de mim, pelos méritos da paixão de nosso Salvador, Jesus Cristo.

 

Outros textos à escolha:
 

Recordai, Senhor meu Deus, vossa ternura e a vossa compaixão que são eternas! Não recordeis os meus pecados quando jovem, nem vos lembreis de minhas faltas e delitos! De mim lembrai-vos porque sois misericórdia e sois bondade sem limites, ó Senhor!  (Sl 24(25), 6-7)

 

Ou:

Lavai-me todo inteiro do pecado, e apagai completamente a minha culpa! Eu reconheço toda a minha iniquidade,
o meu pecado está sempre à minha frente. (Sl 50 (51), 4-5)

Ou:

 

Pai, pequei contra ti; Já não mereço ser chamado teu filho. Tende piedade de mim, que sou pecador! (cf. Lc 15,18; 18,13)

 

Ou:

Deus, Pai de misericórdia, como filho(a) arrependido(a) regresso para dizer-vos: "Pequei contra vós; Já não sou digno de ser chamado voss(o) filh(o)". Cristo Jesus, Salvador do mundo,  eu vos peço como o ladrão arrependido, "Lembrai-vos de mim, Senhor, quando estiverdes no vosso Reino". Espírito Santo, fonte de amor, cheio de confiança vos suplico: Purificai o meu coração
e concedei-me viver como filho da luz".

Ou:

Senhor Jesus, que abristes os olhos dos cegos e curastes os enfermos, que perdoastes a pecadora, e confirmastes Pedro em vosso amor, após o seu pecado, atendei à minha súplica: perdoai todos os meus pecados, renovai em mim o vosso amor, e concedei-me viver em caridade fraterna para que possa anunciar a todos a vossa salvação.

Ou:

Senhor Jesus, que quisestes ser chamado o amigo dos pecadores, livrai-me dos meus pecados pelo mistério de vossa morte e ressurreição. Que a vossa paz permaneça em mim, para que eu possa produzir frutos de caridade, justiça e verdade.

Ou:

Senhor Jesus Cristo, Cordeiro de Deus que tirais o pecado do mundo, dignai-vos reconciliar-nos com vosso Pai, pela graça do Espírito Santo; purificai-me em, vosso sangue, de todo o pecado, e fazei-me renascer para uma vida nova, a fim de proclamar a vossa glória.

 

Ou:

 

Meu Deus, tende misericórdia de mim na vossa bondade; desviai a vossa face dos meus pecados; apagai a minha iniquidade, criai em mim um coração que seja puro, e dai-me um espírito reto.

 

Ou:

Senhor Jesus, filho de Deus, tende piedade de mim, que sou um(a) pecador(a).

 

O sacerdote, com as mãos estendidas sobre a cabeça do penitente (pelo menos a mão direita), diz:

Deus, Pai de misericórdia, que, pela morte e ressurreição de seu filho, reconciliou o mundo consigo e enviou o Espírito Santo para remissão dos pecados, te conceda, pelo ministério da Igreja, o perdão e a paz. E EU TE ABSOLVO DOS TEUS PECADOS, EM NOME DO PAI, E DO FILHO, E DO ESPÍRITO SANTO.

 

O penitente responde:
Amém.

 

Proclamação de louvor a Deus e despedida do penitente

Depois da absolvição, o sacerdote prossegue:
Dai graças ao senhor, porque ele é bom.

O penitente responde:
Porque a sua misericórdia é eterna.

 

O sacerdote despede o penitente reconciliado, dizendo:
O Senhor perdoou os teus pecados. Vai em paz.

 

Em lugar da proclamação do louvor de Deus e da fórmula de despedida, o sacerdote pode dizer:
A paixão de nosso Senhor Jesus Cristo, a intercessão da Virgem Maria e de todos os Santos, tuas boas obras e a tua paciência na adversidade, sirvam de remédio para os teus pecados, aumento de graça e prêmio da vida eterna. Vai em paz.

 

Ou:

 

O senhor, que te libertou do pecado, Que Ele te conduza à salvação no seu Reino. A Ele glória para sempre.
R. Amém.

 

Ou:

Feliz quem foi perdoado de sua culpa, e cujo pecado foi sepultado. Irmão (irmã), alegra-te no Senhor, e vai em paz.

 

Ou:

 

Vai em paz, e proclama ao mundo as maravilhas de Deus, que te salvou.

R. Ricardo Fianco, 06 - São Roque, Bento Gonçalves - RS, 95700-000

(54) 3452-1574

(54) 9 9648-5998